• Facebook Basic Black

© 2014 by Lis Consultoria e Treinamento Empresarial. Created by Carolina Medeiros

STJ decide pela tributação do 13º salário na competência do efetivo pagamento

18.12.2018

 

 

Com base na posição atual do STJ, as empresas devem considerar que o fato gerador da Contribuição Previdenciária sobre o pagamento do 13º salário ocorrerá apenas quando do pagamento da sua última parcela devendo, apenas nesta competência, levá-lo à tributação para fins previdenciários.

 

As empresas sujeitas ao regime da desoneração da folha de pagamento (recolhimento da Contribuição Previdenciária sobre a Receita Bruta - “CPRB”) não estão obrigadas ao recolhimento da Contribuição Previdenciária patronal – normalmente incidente sobre a folha - sobre o 13º salário.

 

Entretanto, aquelas que estão sujeitas ao regime proporcional (recolhimento das Contribuições Previdenciárias tanto pela folha de salários e quanto sobre a receita bruta) encontram dificuldades na forma de cálculo e identificação da competência correta para tributação do 13º salário.

 

Com relação à competência, o decreto 3.048/99 dispõe de forma expressa em seu artigo 214, §6º, que a Contribuição Previdenciária somente é devida sobre essa verba “quando do pagamento ou crédito da última parcela ou na rescisão do contrato de trabalho”.

 

A partir dessa previsão, depreende-se que o fato gerador da Contribuição Previdenciária sobre o 13º salário ocorre somente quando do seu pagamento integral aos empregados. É dizer, em caso de fracionamento do pagamento, como normalmente ocorre, o 13º salário apenas deverá ser levado à tributação quando do pagamento da sua última parcela.

 

Contudo, o entendimento das Autoridades Fazendárias, representado pelos Atos Declaratórios Interpretativa RFB 42/11 e 9/15 tomam como pressuposto que, para fins de tributação, o fato gerador do 13º salário deveria ser divido igualmente entre todos os meses do ano, na proporção de 1/12.

 

Esse conflito foi levado ao Poder Judiciário e a jurisprudência, apesar de ainda não estar consolidada, vem caminhando para corroborar a tese defendida pelos contribuintes. Tanto o é que, recentemente, a 2ª turma do STJ, quando do julgamento do REsp 1.767.934/SC, entendeu pela ilegalidade dos Atos Declaratórios emitidos pelas Autoridades Fazendárias, fixando seu entendimento de que o fato gerador da Contribuição Previdenciária sobre o pagamento do 13º salário ocorrerá apenas quando do seu pagamento integral aos empregados.

 

Assim, com base na posição atual do STJ, entendemos que as empresas devem considerar que o fato gerador da Contribuição Previdenciária sobre o pagamento do 13º salário ocorrerá apenas quando do pagamento da sua última parcela devendo, apenas nesta competência, levá-lo à tributação para fins previdenciários.

 

Fonte Migalhas

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

Receita reafirma orientação sobre ICMS antes do julgamento do STF

October 21, 2019

1/10
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo